A verdadeira cara da advocacia no brasil: desigualdades e desafios

Um olhar crítico sobre o estudo da FGV acerca dos rendimentos dos advogados brasileiros

advoco-brasil-logo-azul

Recentemente, um estudo conduzido pela Fundação Getulio Vargas (FGV) a pedido da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) trouxe à tona uma realidade que muitos já suspeitavam, mas que agora está embasada em dados concretos.

O estudo revelou uma desigualdade gritante nos rendimentos dos advogados brasileiros. Enquanto uma pequena parcela tem altos salários, a maioria dos profissionais da advocacia enfrenta uma realidade financeira desafiadora.

A CARA DA DESIGUALDADE

De acordo com o estudo, 52,4% dos advogados brasileiros recebem até R$ 6.600 por mês. O estudo também apontou que há uma concentração significativa de renda nas mãos de uma pequena parcela de profissionais.

Fatores como tempo de experiência, área de atuação, porte do escritório e até mesmo a região do país influenciam diretamente nos rendimentos dos advogados. Aqueles que trabalham em grandes escritórios, especialmente nas áreas de direito empresarial e societário, tendem a desfrutar de salários mais substanciais. Por outro lado, os advogados autônomos e os que atuam em escritórios menores geralmente enfrentam maiores desafios financeiros.

A SOBRECARGA NO MERCADO DE TRABALHO

A desigualdade de rendimentos na advocacia não é apenas uma questão financeira, mas também um reflexo da saturação do mercado de trabalho. Com mais de 1,3 milhão de advogados inscritos na OAB, o Brasil detém o recorde mundial de profissionais dessa área. Esse número expressivo é alimentado pela existência de mais de 1.200 cursos de Direito em todo o país, o maior contingente do mundo.

Embora o exame da Ordem imponha um filtro rigoroso, anualmente dezenas de milhares de novos advogados ingressam na profissão. Essa oferta excessiva de mão de obra, combinada com uma demanda limitada, inevitavelmente pressiona os rendimentos para baixo, especialmente para os profissionais iniciantes e aqueles que atuam de forma autônoma ou em pequenos escritórios.

Diante desse cenário, garantir um acesso justo à justiça torna-se um desafio cada vez maior. Como a população pode arcar com honorários advocatícios condizentes quando uma parcela significativa dos profissionais luta para sobreviver financeiramente? A advocacia é um pilar fundamental do Estado Democrático de Direito, e sua desvalorização pode ter consequências devastadoras para a sociedade como um todo.

Além disso, a baixa remuneração pode desmotivar os talentos mais promissores, levando-os a buscar oportunidades em outras áreas mais lucrativas. A advocacia precisa atrair e reter os melhores profissionais, oferecendo-lhes condições dignas de trabalho e remuneração justa, compatível com a importância de sua função social.

NOVAS PERSPECTIVAS

Diante desse cenário, é fundamental buscar soluções e novas abordagens para enfrentar os desafios identificados pelo estudo da FGV. Algumas ideias que merecem consideração:

  1. Desenvolvimento de Habilidades de Negócios e Comunicação: Além do conhecimento jurídico, é fundamental que os advogados desenvolvam habilidades de negócios, marketing e comunicação.
    Afinal, os profissionais mais bem-sucedidos não são necessariamente os que dominam as técnicas legais, mas aqueles que sabem se diferenciar, vender seus serviços e cultivar relacionamentos duradouros com os clientes.
    Cursos e treinamentos focados nessas áreas podem ser fundamentais para impulsionar os rendimentos dos advogados.
  2. Encontrar e Explorar Nichos de Mercado: Em vez de competir em áreas saturadas, os advogados devem buscar nichos de mercado específicos e áreas emergentes, como direito digital, ambiental, esportivo, entre outros.
    Ao se posicionarem como especialistas em uma área de atuação diferenciada, eles podem cobrar honorários mais altos e atrair uma base sólida de clientes dispostos a pagar por seus serviços exclusivos.
  3. Desenvolvimento de Habilidades de Liderança e Gestão: Para prosperar na advocacia, é essencial cultivar habilidades de liderança e gestão.
    Aqueles que sabem gerenciar equipes, delegar tarefas, estabelecer processos eficientes e tomar decisões estratégicas têm maior probabilidade de construir práticas jurídicas bem-sucedidas e lucrativas. Investir no desenvolvimento dessas habilidades pode ser a chave para elevar os rendimentos dos advogados.
  4. Networking e Construção de Relacionamentos: A advocacia é uma profissão baseada em relacionamentos. Participar de eventos, ingressar em associações profissionais e cultivar uma rede sólida de contatos pode abrir portas para novas oportunidades de negócios e clientes.
    Aqueles que dominam a arte de construir e manter relacionamentos duradouros têm uma vantagem significativa no mercado.
  5. Adoção de Tecnologias e Inovação: Os advogados que abraçam a tecnologia e a inovação têm a chance de se destacar e oferecer serviços mais eficientes e convenientes para os clientes. Investir em soluções digitais, automação de processos e novas metodologias de trabalho pode aumentar a produtividade e, consequentemente, os rendimentos dos profissionais.
 

Ao cultivar essas habilidades complementares ao conhecimento jurídico, os advogados podem se diferenciar, agregar mais valor aos seus serviços e, consequentemente, elevar seus rendimentos no mercado altamente competitivo da advocacia.

Essas são apenas algumas sugestões iniciais, e certamente há muito mais a ser explorado. 

O importante é reconhecer que a desigualdade de rendimentos na advocacia é um desafio sério que exige ação coordenada de todos os atores envolvidos: governo, OAB, escritórios de advocacia e, é claro, advogados.

 

 

Por André Medeiros

Pequenos escritórios também podem ser poderosos negócios para desenvolver a advocacia no Brasil

Veja análise neste link sobre: Desenvolvimento de negócios na advocacia em um mundo BANI – Como pequenos escritórios podem explorar estratégias eficazes de desenvolvimento de negócios e prosperar em um mundo BANI.

 

ANALOGIA COM O ESTUDO SOBRE SOCIEDADES DE ADVOGADOS

Curiosamente, um estudo recente publicado no site Migalhas, intitulado “Estudo aponta perfil nacional das espécies de sociedades de advogados”, traz insights interessantes que se correlacionam com as descobertas do estudo da FGV.

Segundo o estudo, a maioria das sociedades de advogados no Brasil é composta por até cinco sócios, enquanto as grandes sociedades, com mais de 50 sócios, representam apenas 2,7% do total. 

Esse dado reforça a ideia de que a advocacia é uma profissão pulverizada, com muitos pequenos escritórios e poucos grandes.

Além disso, o estudo aponta que as sociedades de advogados estão distribuídas de forma desigual pelo país, com uma concentração significativa nas regiões Sudeste e Sul. 

Essa disparidade regional também foi observada nos rendimentos dos advogados, conforme apontado pelo estudo da FGV.

Essa correlação sugere que as desigualdades na advocacia são um reflexo das desigualdades socioeconômicas mais amplas do país. 

Portanto, qualquer solução para enfrentar esse problema deve levar em consideração fatores estruturais e promover uma distribuição mais equilibrada de oportunidades e recursos em todo o território nacional.

No entanto, não podemos estabelecer uma visão pessimista. Acredito que, saber desses dados,  abre-se oportunidades para adoção de uma mentalidade mais empreendedora e focada em soluções criativas e eficazes.

Considerando que a maioria dos advogados atua de forma autônoma ou em pequenos escritórios, é fundamental desenvolver habilidades empresariais e de gestão para prosperar nesse mercado competitivo.

Em vez de depender de soluções coletivas ou corporativistas, cada advogado deve assumir a responsabilidade por sua própria trajetória profissional. 

Isso significa buscar constantemente a diferenciação, explorar nichos de mercado lucrativos, aprimorar habilidades de comunicação e marketing, e adotar tecnologias e inovações que agreguem valor aos serviços prestados.

Aqueles que abraçarem uma mentalidade empreendedora, investindo em seu próprio desenvolvimento pessoal e profissional, terão maiores chances de alcançar rendimentos dignos e sustentáveis. 

A advocacia é uma profissão que recompensa a iniciativa, a criatividade e a capacidade de se adaptar às demandas do mercado.

Em vez de esperar por soluções externas, cabe a cada um de nós assumir o controle de nossa carreira e lutar por uma advocacia mais próspera e justa. 

Só assim poderemos verdadeiramente representar os ideais de justiça e igualdade que defendemos diariamente, garantindo o acesso à justiça para todos os cidadãos.

Perspectivas Complementares sobre Remuneração na Advocacia

O Guia Salarial 2024 da Robert Half oferece uma visão abrangente da remuneração em diversos setores, incluindo o jurídico. Diferentemente do estudo da FGV, que se concentra na renda geral dos advogados, o guia da Robert Half detalha os salários por área de atuação, porte do escritório, nível de experiência e localização geográfica.

Essa abordagem permite uma análise mais granular da remuneração na advocacia, revelando disparidades salariais significativas dentro da própria profissão.

Por exemplo, o guia mostra que advogados em escritórios de grande porte em São Paulo tendem a receber salários muito mais altos do que aqueles em escritórios de pequeno porte ou em outras regiões do país.

Além disso, áreas como direito empresarial e societário oferecem maiores remunerações em comparação com direito do trabalho ou direito cível.

Essas informações são valiosas para advogados que buscam entender o potencial de ganhos em diferentes carreiras jurídicas e para escritórios que desejam se manter competitivos no mercado de trabalho.

O Guia Salarial como Ferramenta de Direcionamento e Comparação

O Guia Salarial da Robert Half não apenas oferece dados detalhados sobre remuneração na advocacia, mas também serve como uma ferramenta valiosa para direcionar as expectativas salariais de advogados e escritórios.

A comparação entre o estudo da FGV/OAB e o guia da Robert Half é particularmente interessante, pois destaca as diferentes perspectivas sobre a renda na advocacia. 

Enquanto o estudo da FGV/OAB oferece uma visão geral da realidade financeira da profissão, o guia da Robert Half permite uma análise mais específica, considerando fatores como especialização, porte do escritório e localização.

Dessa forma, advogados e escritórios podem utilizar o Guia Salarial como um comparativo para avaliar se a remuneração oferecida ou recebida está alinhada com as práticas de mercado.

Por exemplo, um advogado com experiência em direito societário em São Paulo pode utilizar o guia para verificar a faixa salarial típica para sua posição em escritórios de grande porte e comparar com sua renda atual.

Escritórios, por sua vez, podem utilizar o guia para definir salários competitivos que atraiam e retenham talentos, considerando a especialização e o nível de experiência dos profissionais.

Pesquisa de Remuneração de Advogados

Embora desafiador, o futuro da advocacia será repleto de oportunidades para profissionais flexíveis e antenados com as novas tendências. Os escritórios que se adaptarem terão condições de entregar um serviço jurídico de excelência aos seus clientes.

Será um prazer trocar ideias com você e demonstrar como temos ajudado o mercado jurídico a evoluir

© 2024 – Todos os direitos reservados – Advoco Brasil

Controle de Comissão para Advogados

Com a ferramenta inovadora da AdvocoBrasil, você controla suas comissões de forma fácil, rápida e segura.

Nossa ferramenta:

  • Automatiza o cálculo de comissões, evitando erros e economizando tempo.
  • Oferece visualização em tempo real em um dashboard, facilitando a gestão financeira do seu escritório.
  • Permite a criação de regras personalizadas para o cálculo de comissões, de acordo com as necessidades do seu escritório.
Precificação com base na tabela da OAB

Com esta ferramenta simples, porém inovadora da Advocobrasil, você precifica seus honorários em segundos, com precisão e confiança.

Nossa ferramenta:

  • Compara os preços da tabela da OAB com a realidade do mercado e com os preços/hora do seu escritório.
  • Você faz a estimativa a quantidade de horas a ser trabalhada para cada ato jurídico, com base em dados reais.
  • Ao final você terá uma visão completa com a precificação detalhada para cada caso.
Construindo uma visão uníssona

Como lidar com a falta de alinhamento, as limitações, ansiedades, perdas de controle, egos inflados e a falta de visão dos sócios?
Nossa abordagem avalia quão alinhados os sócios estão com a visão de gestão atual, conexão com o futuro e principalmente sobre a clareza de seus papeis e responsabilidades de liderança.

Lidar com gente parece fácil, mas não é!

Liderar um escritório de advocacia exige mais do que conhecimento jurídico.

É necessário visão estratégica, capacidade de inspirar e impulsionar o crescimento. A Advoco Brasil ajuda criando um ambiente de alto desempenho e cultivando uma cultura de inovação.

O mercado muda o tempo todo, você também deveria!

As ferramentas digitais, as novas leis e as demandas dos clientes exigem adaptabilidade e visão de futuro.

AdvocoBrasil ajuda a identificar as tendências do mercado e a desenvolver estratégias para se manter competitivo e relevante, com metodologias de Gestão de Mudanças.

Todo gestor entende de desenvolvimento de negócios, você também deveria!

Atrair novos clientes e fidelizar os existentes é fundamental.

A AdvocoBrasil te ajuda a desenvolver estratégias de marketing jurídico eficazes, a construir relacionamentos sólidos com clientes e a identificar novas oportunidades de negócio.